quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Olá, Sou do Paquistão. E Tu?

 O desafio era simples

Duas pessoas de nacionalidades distintas, e que se conheceram há um par de semanas, ficarem de escrever um texto crítico e objetivo sobre as pessoas do seu país. Duas opiniões sobre o ser humano que, afinal, pode ser tão diferente quanto maior a distância que separa os sítios onde vive. Ora lê...


Ali Abdullah | 21 anos

Estudante Universitário

Nacionalidade:    Paquistanês



Com alguma frequência, quando conheço alguém pela primeira vez e digo “Sou do Paquistão” – as pessoas ficam um bocadinho chocadas. Talvez seja a minha pronúncia que as deixa de pé atrás (não pareço Paquistanês quando falo), ou talvez seja simplesmente uma consequência da imagem que os media se encarregaram de alojar no seu subconsciente – uma nação extremista e uma cultura de extremos. Infelizmente, esta opinião não dista muito da verdade, só que deixa escapar o lado positivo [da cultura Paquistanesa] que o mundo raramente vê ou experiencia.


O Paquistão é um país com fortes raízes na sua cultura – embora grande parte desta tenha sido deixada de parte á medida que adotamos ideais ocidentais, certos princípios culturais têm permanecido embebidos no nosso sistema. Uma rapariga Espanhola [com quem falei] destacou alguns problemas do seu país e contou-me como o facto de as pessoas viverem com os pais até aos trinta anos se devia à falta de oportunidades – para ela, isso era uma desgraça e qualquer pessoa nessa situação seria considerada como alguém com problemas e que pouco fez da vida. Para mim – é o curso normal da vida.

A maioria das pessoas nunca perceberá como o conceito de família funciona no Paquistão. Gerações após gerações são criadas na mesma casa. Pela casa do meu avô já passaram quatro gerações. Não é vergonha, nem desgraça nenhuma, viver com os próprios pais até que fiques velho; pelo contrário, é a base de um ambiente onde se vive o amor. Quando disse à rapariga espanhola que tinha planos de viver com os meus pais para sempre, ela não tinha a menor ideia daquilo de que eu estava a falar – até que lhe expliquei como o bem-estar e a segurança dos meus pais vêm antes das minhas próprias prioridades. Este princípio, ela também achou demasiado “diferente” para perceber mas, com o tempo, achou que ficou com a ideia.

Nós temos o conceito de “lares de idosos” muito pouco estabelecido na nossa sociedade – os poucos que existem são casas de caridade; é um sinal de extrema humilhação deixar os pais numa destas casas, tanto para os mesmos como para os filhos. Nós gostamos de pensar na nossa cultura como uma que preserva a unidade familiar – o marido e mulher são livres de trabalhar, enquanto que os avós dão uma ajuda a educar as crianças à moda antiga, como a cultura estabelece. Algo que nenhuma escola é capaz de ensinar. A atenção extra que os pais não são capazes de dar aos seus filhos é dada pelo resto da família – os tios, tias, primos… Toda a gente tem o seu papel. As crianças crescem com o devido amor e carinho que nenhum centro infantil é capaz e proporcionar. Eles sentem a unidade da família de cada vez que se sentam à mesa. Os avós nunca se sentem desnecessários.

O sistema funciona em torno de um simples conceito que, por sua vez, se baseia numa ideologia – “Se os teus pais te ajudaram a dares os primeiros passos na vida, é no mínimo justo que os ajudes a dar os últimos”. As pessoas sentem com frequência que o custo de viver de tal forma em comunidade é a sua independência – mas em alguns casos, viver assim é uma forma particular de independência. [No outro dia] fui a Christiania (uma pequena cidade dentro de Copenhaga onde não se paga impostos) e vi a cultura deles – uma sociedade pequena e fechada de pessoas que trabalham juntas, que se ajudam mutuamente e estão determinadas em mantê-lo dessa forma. Os seus laços são tão fortes que estão dispostos a arriscar as próprias vidas para proteger o seu sistema – de maneira alguma tal pre-disposição os impediu de viver a vida que queriam, da forma que desejavam. Para mim, os benefícios de viver em comunidade ultrapassam largamente aqueles que obtemos se vivermos de forma independente – mas também, essa é a minha opinião.



Miguel Bandeira  | 19 anos  Estudante                  

Nacionalidade:    Português




Eu optei por apontar a qualidade e o defeito que mais vejo nas pessoas de Portugal. Comecemos pelas boas notícias: os Portugueses são um povo tranquilo! Somos mesmo! Até podemos ferver em pouca água perante algumas chatices, mas as manifestações da nossa irritação muito raramente passarão de uma boa dose de gesticulação e alguns palavrões lançados bem alto. Um exemplo claro disso mesmo é a reação da população portuguesa à crise que estamos a passar. Não se ouve nas notícias relatos de distúrbios sociais de grande ordem. Não como já houve na Grécia, por exemplo. O bom Português gosta de mostrar a sua indignação, disso não há dúvida - temos bastante prática na arte de apontar o dedo ao governo e sugerir novos cursos de ação. No entanto, não é isso que se quer, quando é feito de forma decente? 

Mas, como diz o velho ditado "não há bela sem senão". E quando a tranquilidade se excede e transforma em desleixo perante a vida, temos problemas. O que me leva a apontar um defeito terrível do meu povo: temos uma enorme falta de noção de compromisso! Vamos lá perceber o que quero dizer com isto. Basicamente, compromisso é a forma de se assumir uma obrigação com alguém e com algum objetivo
  • Alguém - este parece-me ser um ponto que muitas vezes as pessoas esquecem quando assumem um compromisso: há uma pessoa, com os seus sentimentos, desejos e expectativas do outro lado da relação. Quando dizemos "gosto de ti" ou  "podes contar comigo para o que precisares!", estamos a assumir um compromisso que pode ter um valor enorme para a outra pessoa. Quebrá-lo pode não custar-nos nada, mas a alguém há-de magoar...

  • Objetivo - seja um jantar de aniversário, uma reunião do trabalho ou outro tipo de evento qualquer, cada um tem o seu próprio objetivo. Objetivo esse que será cumprido na totalidade SE houver da parte dos intervenientes um esforço para que ele aconteça... A HORAS! Pontualidade é um sonho para muitos portugueses, um "capricho dos alemães!", um método inovador de chegar aos sítios que só afetará a nossa sociedade lá para o século XXII... Até lá, podemos descansar tranquilamente...

....
Agora é a tua vez! A janela para deixares comentários é mesmo aqui em baixo.
Aposto que não pensas exatamente o mesmo sobre os países que descrevemos e que tens muito a dizer sobre o teu próprio país.

---------------------------------------------------------

Hey, I'm from Pakistan. How about you?


The challenge was simple

Getting two people of different nationalities, who met a couple of weeks ago, to write a critical and objective text about the oeople of their own country. Two opinions on the human being who, after all, can be as different as greater is the distance which separates the places they live in. Have a look...


Ali Abdullah | 21 years old

University Student

Nationality: Pakistani

Often when I meet people and say “I am from Pakistan” – they get a bit of a shock. Perhaps it is my accent that throws them off (I do not sound like a Pakistani), or perhaps it is simply the shock embedded into their subconscious by the media – an extreme nation with an extreme culture. Unfortunately, their opinions are not far from the truth, except that they miss the positive that the world seldom sees or experiences.

Pakistan is a country built on culture – though a lot has eroded as we take up western ideals, some sphere have remained deeply embedded in our system. A Spanish girl was highlighting the plight of her country and how people live with their parents till they are 30 due to lack of opportunities – to her, that was a disgrace and one of a troubled individual who had made nothing out of life. To me – it was life.

Most people will never understand how the concept of the family works in Pakistan. Generations after generations are raised in the same home. My grandfather’s house has already seen 4 generations. It is no shame, nor disgrace, to live with your parents until you yourself are old; instead, it is the foundation of a lovely atmosphere. When I told the Spanish girl I had ever plan to live with my parents forever, she had no idea what I was talking about – until I explained to her how my parent’s wellbeing and safety came before my own priorities. This too was taken as too “different” to understand, but with time, I think she got the idea.

We have very little concepts of welfare homes for the elderly - the few that exists are charity homes; anyone sending their parents there is a sign of extreme humiliation; both for the parents and the children. We like to think of our culture as one that preserves the family unit – the husband and wife are free to work, while the grandparents give a helping hand towards raising the children in the old fashion, cultural way. Something no school can give you. The extra attention that parents cannot afford to give to their children themselves, is given by the rest of the family – the uncles, the aunts, the cousins, everyone participates. Children grow up with the proper love and care that no day care center can give. They get the touch of family every-time they sit on the table. Grandparents never feel useless or unneeded.

The system works around a simple concept revolves around a simple ideology – “if your parents helped you take the first steps in life, it’s only fair that you help them take their last”. People often feel the cost of such communal living is their independence – but in some cases, this is independence in its own way. I went to Christiana (the free town in Denmark) and saw their culture – a small close-knit society of people working together, helping each other, and strongly determined to keep it like that. Their bonds were so strong that they were willing to risk their lives to protect their system – at no point did it hold them back from living the lives they wanted, the way they wanted. To me, the benefits of communal living far outweigh the benefits of an entirely independent – but then, that’s me.

Miguel Bandeira  | 19 years old Student                  

Nationality: Portuguese


My approach to this question was a little more modest than Ali's, for I chose to point out the quality and flaw that i've seen the most amongst my people. Let's start with what we have that's good: Portuguese people are very tranquil! We are, indeed! We might get really upset before some nuisances, but our annoyance manifestations will rarely go beyond a good dose of gesticulation or unpleasant words spelled out loud. A clear example of what I've just stated is the Portuguese population reaction to the economical crisis we are going through. You don't hear news reports about serious social disorders. Not such as the ones which took place in Greece, for example. The typical Portuguese person likes to show their indignation before the world, no doubt about that - we have acquired a special practice in pointing the finger to the government and suggesting new courses of action. However, isn't it that way that things are supposed to be, when handled in a decent way?

But, as the old saying goes, there's a flip side to every coin. And when tranquility becomes laxity before life, we've got some problems. Which allows me to point out a terrible flaw of my people: we've got a tremendous lack of commitment notion! So let's try to understand what I mean by saying this. Basically, commitment is the way of assuming an obligation before someone and with some purpose.
  • Someone - it seems to me this is a point that some people miss when they assume a commitment: there's a person, with their own feelings, wishes and expectations on the other side of the relationship. When we say "I love you" or "count on me for everything you need!", we are assuming a commitment that might have a huge value for the other person. Breaking it might cost us nothing, but it will hurt somone...
  •  Objective - whether we're talking about a birthday dinner, a work meeting, or any other type of social event, each one has its own objective. Which will be accomplished if, and sometimes only if, its intervenients make an effort so it happens... ON TIME! Punctuality is still a dream for many Portuguese people, a "caprice only German people care about", an innovative method of arriving to places which will only affect our society sometime around the XXII century... Until then, we can just relax...

....
Now it's your turn! The window to leave your comment is right below this text.
I bet you don't think the same way about the countries we wrote on, and that you have a lot to say about your own country. Give it a try!


7 comentários:

  1. Olá.

    viva o intercâmbio cultural:)
    Continua.

    ResponderEliminar
  2. por vezes parece que não só temos culturas diferentes como vivemos em mundos diferentes!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais! E é bem interessante aprender sobre esses outros mundos por aí fora

      Eliminar
  3. Gostei desta ideia, sim senhor. E achei interessante o contraste na noção de família que existe entre os países ocidentais e, por exemplo, o Paquistão, embora pense que na China sucede o mesmo.

    Não sei é até que ponto concordo com tudo o que escreveste. Por exemplo, esse mito dos brandos costumes e do povo tranquilo foi construído durante o Estado Novo. A História mostra-nos que nunca fomos esse país de povo sereno de que falas, veja-se a inquisição, o regicídio, a convulsão social na Primeira República, ou o PREC. O que podes argumentar é que depois de 40 anos 'adormecido' num regime ditatorial, o povo português se tornou depois disso mais 'brando', mas ainda assim não sei.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também achei muito interessante! Não fazia ideia de que era esta a realidade no Paquistão.

      Agradeço a profundidade histórica que trazes com o teu comentário, contra essa não posso argumentar por falta de conhecimento.
      Quando digo que acho que o povo Português é tipicamente de modos brandos, estou realmente a referir-me aos tempos que correm, não a períodos no passado. E digo-o porque, durante o meu tempo de vida, nunca ouvi falar de grandes convulsões sociais em Portugal - mas é contestável, pode ser que consigas arranjar exemplos que contradigam a minha opinião.

      Eliminar
  4. Boa primo! Muito interessante!
    Bom Erasmus, vai pondo fotos.
    Joana

    ResponderEliminar